QUANDO PRECISEI DIZER ADEUS

Caminhei longos períodos entre a solidão e o teu amor. Perdi os olhares, as camisetas, a necessidade dos seus toques. Sempre quis gritar ao mundo sobre o que sentia, mas imaginava que ninguém entenderia. Pois parecia tão certo está em seus braços, compartilhar as mágoas, dividir a macarronada. Coloquei em replay durante algumas horas “Saudade” do Camelo. Te confesso, a única saudade que bateu foi … Continuar lendo QUANDO PRECISEI DIZER ADEUS

Carta, ou peito que arde sob palha

Por Ítalo Não quero nunca mais sentir isso. Hoje me dispo. Digo adeus sem rodeio; porquê olha: não devo nada. Não tô devendo. Hoje não quero lamento. Não ouvi ontem o que não ouvirei amanhã. Quero diferente. Um negócio, não sei, que bate bem forte aqui no peito… um negócio que explode. Pra falar… eu não tô satisfeito, são horas até que eu diga alguma … Continuar lendo Carta, ou peito que arde sob palha

Este pedido é para o presente

Meu bem, Devo confessar que os motivos desse presente são um tanto egoístas. Tô te enviando um livro que sequer li. A verdade é que faço isso só pra poder imaginar a sua cara felicidade ao ler o título, rasgar o plástico e sentir o cheiro de papel novinho. Também faço porque tenho ânsia de te ouvir contar uma curiosidade qualquer que não fui capaz … Continuar lendo Este pedido é para o presente