Retrovisor

Um pré-carnaval, parecido como todos outros, amantes conectados, olhares de mil faces e um barulho absurdo na própria inocência que carregava dentro de si. Acreditamos que só nos perdemos quando enfrentamos a maré. Os refletores não conseguiam mirar no ponto comum das estrelas daquela história. Dois corações encontram-se, batem na mesma sintonia, mas a boca acostumada a não dizer o que sentia, continuava evitando dizer … Continuar lendo Retrovisor

Namoro e obstáculos

Leia o capítulo anterior “O amor bate a porta“. Lucas e Maria começaram a namorar, mas tinham muitos desafios pela frente. As pessoas não entendiam o relacionamento de uma pessoa com deficiência e uma pessoa sem deficiência. Rafael amigo de Lucas chega e fala: Rafael: Cara é verdade que você e a Maria estão juntos? Lucas: Sim, é verdade sim. Ela é uma pessoa incrível, … Continuar lendo Namoro e obstáculos

Eliseu, o menino que espalhava sonhos.

Homenagem ao Prof. Eliseu Eli Barbosa Certa vez, numa manhã dessas em que nem tudo parece dar certo, uma chuva fininha, calma e doce chamada Maria, encontra-se inesperadamente com um raio de sol que fugiu entre as nuvens que o escondia. Ele era apressado, forte e aventureiro chamava-se Joaquim. Ao longe, algumas crianças brincavam e cantarolavam: “Sol e chuva, casamento de viúva… chuva e sol … Continuar lendo Eliseu, o menino que espalhava sonhos.

Vida, felicidade e outras coisas infindáveis que sombreiam-se sob a brevidade das palavras

A pequena Flor estava cansada de tanto tédio, bufava, seus sopros suspirantes eram tão altos que dava pra escutar do outro lado da rua. E ah! A rua que ela não via fazia tempos! Depois que mudou para a casa atual a única forma de ver a rua (o que matava um pouco de seu tédio) era abrindo a porta. Bom, abrir a porta é … Continuar lendo Vida, felicidade e outras coisas infindáveis que sombreiam-se sob a brevidade das palavras

O amor bate a porta

Leia o capítulo anterior “Segunda chance ao amor“. Maria abre a porta. Maria: Oi Lucas você por aqui nessa hora? Lucas: Tá tarde né acho melhor voltar outro dia Maria: Não tudo bem sem problemas. O que houve? Lucas: Maria tenho uma coisa pra te falar. Maria: Diga! E algo na empresa? Lucas: Não, não é que… eu tô apaixonado por você é isso. Maria: … Continuar lendo O amor bate a porta

Segunda chance ao amor

Leia o capítulo anterior “Emprego e obstáculo“. Maria vai para seu primeiro dia de trabalho às 6:00. Maria aguarda o transporte da empresa passar. Chegando na empresa, Maria se sente perdida e fica olhando para os lados bastante nervosa. Chega um rapaz e pergunta: Lucas: Oi, tudo bem? Me chamo Lucas! Você deve ser a Maria. Fiquei responsável em te receber e te acompanhar durante … Continuar lendo Segunda chance ao amor

Emprego e obstáculo

Leia o capítulo anterior “Obstáculos e faculdade”. Maria depois de formada mandou seu currículo para as empresas.Telefone de Maria toca. Maria: Quem fala?Empresa: Você mandou seu currículo para nossa empresa.Maria: Sim, vi que vocês estão contratando PCD.Empresa: Sim, estamos! Qual sua deficiência?Maria: Tenho paralisia cerebral e sou cadeirante.Empresa: Infelizmente não podemos te contratar. Nossa empresa não possui adaptações para cadeirante.Maria: Tá ok, então.Empresa: Sinto muito. … Continuar lendo Emprego e obstáculo

De Pandas e Homens

Em uma determinada realidade (após os pandas terem tomado o controle do mundo das mãos dos humanos) a jovem princesa Panda, discute com seus pais (o Rei Pêra e a Rainha Nana) como tratar dos súditos e dos recursos naturais.      Mas minha filha, se o mundo vai se acabar de todo jeito qual a diferença de uma árvore a mais, uma árvore a menos? – … Continuar lendo De Pandas e Homens

O antigamente das Cacimbas

Maria ToinhaMarcos AndradeLavagem, 04 de maio de 2021. Cresci na Lavagem, no interior do Ceará, quando o lugar ainda era um pequeno povoado. Até hoje prefiro lembrar do meu lugar a partir desse nome, pois tem coisas que só poderíamos ter vivido na Lavagem. Canaan foi nome dado pelo olhar do branco e não exatamente pelo Povo. O Povo de quem eu falo são as … Continuar lendo O antigamente das Cacimbas

QUANDO PRECISEI DIZER ADEUS

Caminhei longos períodos entre a solidão e o teu amor. Perdi os olhares, as camisetas, a necessidade dos seus toques. Sempre quis gritar ao mundo sobre o que sentia, mas imaginava que ninguém entenderia. Pois parecia tão certo está em seus braços, compartilhar as mágoas, dividir a macarronada. Coloquei em replay durante algumas horas “Saudade” do Camelo. Te confesso, a única saudade que bateu foi … Continuar lendo QUANDO PRECISEI DIZER ADEUS