É qu3 eu Ando d3 Ônibus

Pra ler ao som de Getúlio Abelha. O ônibus não tava lotado. Lotado é pouco pra falar daquela suruba. Em cima da minha cabeça, sacolas com carnes sintéticas me acertando; dos lados, sovacos na altura do m3u nariz; atrás, um androide falando da vida alheia e por toda parte um calor de torrar nervo. Até aí nada de novo. Tava indo pro Mercado Acioli, lá … Continuar lendo É qu3 eu Ando d3 Ônibus

Hipermetropia

Para a Litfan BR. Se Deus existe, certamente o bloqueio criativo foi invenção do Capeta. É quase como aquelas visitas inconvenientes que chegam, pedem café e começam a falar do barraco da vizinha com o síndico sem perceber que você tem mais o que fazer. Mais dia, menos dia, ele chega e faz você pirar quando não consegue escrever o último arco do tão planejado … Continuar lendo Hipermetropia

De Grão em Grão

Para Dona Neném. Eles chegaram num domingo azucrinando a cachorra, atazanando as galinhas e perguntando se tinha café. João estava na roça, mas eu disse que fazia. Pedi que se achegassem no alpendre, já sabendo que não tinha espreguiçadeiras nem tamboretes para todos. Pelas minhas contas davam duas dúzias, cada qual com olhos de acerola madura e pele de urucu. Coisinhas pequenas, daquelas que a … Continuar lendo De Grão em Grão

Aquele que é Digno de ser Odiado

A cena é um homem na janela de um apartamento observando os carros pararem no semáforo. Fuma um cigarro eletrônico enquanto segue os passos de um casal de velhinhos (um homem e uma mulher) atravessando a avenida. O cinza da fumaça turva o verde dos olhos. Recebe uma mensagem no celular: chego em 5 minutos. Benzinho é o nome do contato. Rogério sorri sozinho. Depois … Continuar lendo Aquele que é Digno de ser Odiado