Vida, felicidade e outras coisas infindáveis que sombreiam-se sob a brevidade das palavras

A pequena Flor estava cansada de tanto tédio, bufava, seus sopros suspirantes eram tão altos que dava pra escutar do outro lado da rua. E ah! A rua que ela não via fazia tempos! Depois que mudou para a casa atual a única forma de ver a rua (o que matava um pouco de seu tédio) era abrindo a porta. Bom, abrir a porta é … Continuar lendo Vida, felicidade e outras coisas infindáveis que sombreiam-se sob a brevidade das palavras

De Pandas e Homens

Em uma determinada realidade (após os pandas terem tomado o controle do mundo das mãos dos humanos) a jovem princesa Panda, discute com seus pais (o Rei Pêra e a Rainha Nana) como tratar dos súditos e dos recursos naturais.      Mas minha filha, se o mundo vai se acabar de todo jeito qual a diferença de uma árvore a mais, uma árvore a menos? – … Continuar lendo De Pandas e Homens

O LICEU – PARTE 4

Caminharam de mãos dadas pelo pátio e subindo as escadas até adentrarem na sala da coordenação. O dia estava ensolarado, com ventos refrescantes constantemente soprados pelo mar.  – Bom dia, Paula! – disse Conrado – Soube que quer conversar.  – Sim, meu filho, você está bem?  – Ó Paula, já foram te importunar com essa história? Esse pessoal é tão criativo, deviam escrever um livro.  … Continuar lendo O LICEU – PARTE 4

O NOSSO LUGAR AO SOL

     As rajadas de areia batiam com muita força contra seu peito; felizmente, o bar estava a seis passos de distância. Passou a porta giratória e foi direto até o balcão, se dirigindo à atendente, sua velha conhecida.      – Cachaça com caju.      De pronto, a lhe servir, colocou meio dedo de cachaça, dois dedos de xarope de caju com gás e sobre eles … Continuar lendo O NOSSO LUGAR AO SOL

O LICEU – PARTE 3

 Leia a parte 2. O dia de Conrado estava cheio. Começara não muito bem com um incidente, agora teria que recepcionar os calouros, depois reuniões com diversas discussões e ainda teria que achar espaço para apaziguar sua relação com alguns estudantes para evitar na medida do possível ser morto.  -Conrado, aqui está sua cola – Shérida lhe deu uma folha contendo palavras-chave para auxiliar seu … Continuar lendo O LICEU – PARTE 3

O LICEU – PARTE 2

Leia a parte 1 de O LICEU Tomás, a diretora está te chamando – disse a coordenadora Paula.  -Obrigado, Paula.  Tomás encaminhou-se para a sala da direção. Mancando da perna direita, e com um copinho de café na mão esquerda, com muita fadiga apresentou-se para Helena.  -Bom dia, diretora Helena!  -Bom dia, Tomás. Você soube o que aconteceu?  -Não, senhora.  -Não viu nenhum movimento estranho?  … Continuar lendo O LICEU – PARTE 2

Paixão Alvinegra

Ô Ceará, vem cá!  Comé que vai ficar?                                                                  Nessa bola que chamamos Mundo, estamos todos a chorar.  Ô Ceará, qual vai ser?  Não tem o que fazer?  Tô sem emprego e com fome  E é só pelo nome da tua história  E da graça de cantar tuas glórias  Que minh’alma (que já tá perdendo a calma)  Pode se satisfazer.  Ô Ceará, coméquié?  Qual vai ser … Continuar lendo Paixão Alvinegra

AS AVENTURAS DE JAQUELINE VIANNA DA GLÓRIA – THE MISSING GIRL

Acordou num pulo, com a dona da casa dizendo que elas já iam sair. Estava morta de sono, com o bucho ainda forrado da janta do dia anterior: batatas enormes, ervilhas e um pedaço de frango suculento embebido num molho gostoso e cheiroso, mas do qual não reconhecia a procedência.       Não tomou banho, porque diferente da maioria das noites dormidas até aqui ela não tinha … Continuar lendo AS AVENTURAS DE JAQUELINE VIANNA DA GLÓRIA – THE MISSING GIRL

O LICEU

  Foi apressado cobrir a xícara de café com a tampa da cafeteira. Estava atrasado, irritado, ansioso e acometido por mais um turbilhão de sentimentos e hormônios. Mal conseguira dormir de tanto verificar e reverificar a mochila. Tomou banho, lavou os longos cabelos, vestiu-se rapidamente e foi tomar café. Quinze longos minutos se passaram sob o olhar rigoroso de sua mãe, cada mordida no pão … Continuar lendo O LICEU

Café Gelado

Mamãe disse que sorvete de café, chá gelado de café (mas não é o café um chá?), pudim de café ou outra coisa que não lembro o nome (coloco no título) curava coração-partido. Dito isto: os epicuristas pregavam o desinteresse como medida profilática ao sofrimento; e não sei se para evitar o sofrimento ou o quê, um certo moço era bastante desinteressado em geral, com os … Continuar lendo Café Gelado