DIALÉTICA DO PÉ E O SOLO

Mesmo que eu escolhaBotar o pé no chão descalçoAs pedras machucam o péMais que o pé machuca o asfaltoNão deixo nenhuma pegada eSobre o chão não direi nadaSe sigo assim incauto… Uns dizem que falta força,Mostram marcas na estóriacomo se fossem de agora,Mas ocultam à reveliaQue quem fez esse legadoFoi quem criou esse asfaltoQue à meus pés machucaria. Contesto tais narrativas,Que são um tanto enganosasEles … Continuar lendo DIALÉTICA DO PÉ E O SOLO

Os tremores de Guevara

Acordo com os dentes trincadosNo quarto trancadoTento respirar O amanhã se apresentaMesmo que nunca chegueMesmo que não existaTenta me matar O mundo explode pra dentroImplode minha menteComigo no centroo concreto converge Mesmo se não existaO tempo e o espaçoQue calor desgraçadoQue ardor desgraçado meu âmagocontrai com o mundo máFalta bom karma e arPreciso caminhar Mas o caminho não existeNo entanto a vida te forçaTalvez não … Continuar lendo Os tremores de Guevara

Este pedido é para o presente

Meu bem, Devo confessar que os motivos desse presente são um tanto egoístas. Tô te enviando um livro que sequer li. A verdade é que faço isso só pra poder imaginar a sua cara felicidade ao ler o título, rasgar o plástico e sentir o cheiro de papel novinho. Também faço porque tenho ânsia de te ouvir contar uma curiosidade qualquer que não fui capaz … Continuar lendo Este pedido é para o presente

ENSAIO SOBRE A POTÊNCIA NEGRA

Em um desses dias preguiçosos, quando o tédio bate e a chuva faz as pequenas coisas parecerem maiores que a gente costuma ver, acabei esbarrando meio de susto com alguma coisa sobre estrelas no feed de alguma rede social. Por alguma razão, surgiu então na minha mente uma indagação mais específica, cuja linha de raciocínio que me fez chegar até ela já não é tão … Continuar lendo ENSAIO SOBRE A POTÊNCIA NEGRA

O fim dos dias ou quando os dias se acabam

O ônibus parava no meu ponto por volta das nove da noite. Lembro da rua vazia, da falta de gente e do silêncio nem sempre muito convidativo que se estendia até minha casa. Era o fim do dia. Olhava para os lados sempre, mesmo com o baixíssimo movimento, então atravessava a avenida e entrava numa ruazinha lateral, dessas de bairro. A rua da minha casa. … Continuar lendo O fim dos dias ou quando os dias se acabam