Parar no sinal amarelo: prestar atenção

Por: “ Thátyla Lourenço“ São tempos de aceleração, Quanto mais rápido melhor. O prestar atenção se tornou escasso, Os encontros são rápidos, As despedidas também. Mas é preciso lutar contra a correria, Aproveitar os dias, A companhia da família, Dos amigos, Do amor. Compreender o pôr do sol como um lembrete, Ele descansa e eu também posso. Parar no sinal amarelo, Prestar atenção, Descansar, Aproveitar, … Continuar lendo Parar no sinal amarelo: prestar atenção

O des(canto) do (sonh)ar

por Azevedo Netto De tanto beber da realidade, nos embriagamos com a dor. De tanto sofrer por realidade, nos afligimos sem pudor. De tanto lutar por algo, naufragamos sem rumor. De tanto sofrermos por sonhos, saciamos com o amor. Um amor tão passageiro que escorre pelas mãos. Como os ventos envaidecidos que vislumbram o horizonte da imensidão. E assim, eis que surge a sina, e … Continuar lendo O des(canto) do (sonh)ar

O fim, é, mesmo, o fim?

por Elian G. Encerrar um ciclo é sempre algo bem complicado, porque, às vezes, parece que não acabou. A gente idealiza, pressupõe, tem esperança, enxerga coisas que não estão ali, para que, no fundo, não tenha que acabar. Sempre falam: “Faça algo diferente; aprenda algo novo; seja você mesmo; sua companhia é a melhor que você poderia querer.” Mas, depois que vem alguém e pinta … Continuar lendo O fim, é, mesmo, o fim?

#AUDIOCRÔNICA: Café Gelado

Acaba de ser liberada a audiocrônica CAFÉ GELADO, escrita por Caio Marques e publicada originalmente na nossa plataforma em formato de texto. Agora se encontra disponível em áudio no Podcast Alagadiço com produção geral de Bruno Rafael. Trecho: “Mamãe disse que sorvete de café, chá gelado de café (mas não é o café um chá?), pudim de café ou outra coisa que não lembro o … Continuar lendo #AUDIOCRÔNICA: Café Gelado

O antigamente das Cacimbas

Maria ToinhaMarcos AndradeLavagem, 04 de maio de 2021. Cresci na Lavagem, no interior do Ceará, quando o lugar ainda era um pequeno povoado. Até hoje prefiro lembrar do meu lugar a partir desse nome, pois tem coisas que só poderíamos ter vivido na Lavagem. Canaan foi nome dado pelo olhar do branco e não exatamente pelo Povo. O Povo de quem eu falo são as … Continuar lendo O antigamente das Cacimbas

Carta, ou peito que arde sob palha

Por Ítalo Não quero nunca mais sentir isso. Hoje me dispo. Digo adeus sem rodeio; porquê olha: não devo nada. Não tô devendo. Hoje não quero lamento. Não ouvi ontem o que não ouvirei amanhã. Quero diferente. Um negócio, não sei, que bate bem forte aqui no peito… um negócio que explode. Pra falar… eu não tô satisfeito, são horas até que eu diga alguma … Continuar lendo Carta, ou peito que arde sob palha

SUBMISSÕES

Quer publicar seu conto, poesia, ficção relâmpago ou crônica conosco?! Envie um e-mail com seu arquivo ou acesse o formulário seguindo as seguintes recomendações: 1º Seu arquivo deve estar no formato doc/word; 2º Seu conto deve ter entre 1.000 (mil) e 3.000 (três mil) palavras; 3º Sua crônica deve ter no máximo 2 (duas) páginas; 4º Sua ficção relâmpago deve ter entre 300 (trezentas) e … Continuar lendo SUBMISSÕES

Ajude a Andrezza!

E aí pessoal, tudo bem?! Estamos aqui para falar de outra coisa muito importante. Entramos na campanha para ajudar nossa amiga, companheira e pariceira Andrezza Alves. A Andrezza tem 26 anos, e é uma pessoa com deficiência. Ela possui paralisia cerebral (diplegia espástica) CID G80.1. Para além disso, ela é nossa pariceira fixa aqui na Rede Alagadiço (inclusive em seus contos, poesias, e outros escritos … Continuar lendo Ajude a Andrezza!