Eu vou ser livre

Leia o capítulo anterior: “A princesa do papai“.

Karen chega em casa e quebra tudo com raiva, depois toma seu antidepressivo e dorme. 

Dias passaram, Karen estava sem comer, sem tomar banho…

-Karen? Você está aí? – Alguém bate a porta. – Karen é o Rafa! 

Então ele arrombada a porta. 

-Karen, meu Deus! O que houve aqui? O que houve com você?  Que bagunça! Essas cadeiras todas reviradas, essas roupas espalhadas pelo chão… Espera de onde está vindo essa água? 

Karen o chuveiro está ligado! 

Corre para desligar o chuveiro. 

Karen estava sentada ao lado da cama no chão, não demonstrou nenhuma reação. Rafa olha em direção a cama e vê as cartelas de antidepressivo. 

-Karen isso são antidepressivos? A quanto tempo você toma isso? Meus Deus você está um trapo o que houve com você? Venha vou te dar um banho. 

Rafa tira as roupas de Karen enquanto ela não demonstra nenhuma reação, pois está viva por fora, mas morta por dentro. Rafa colocou ela debaixo do chuveiro, ensaboou seu corpo, lavou seu cabelo, vestiu o roupão em Karen, deitou- a na cama. 

-Vou arrumar essa bagunça aqui e depois vou preparar algo pra você comer. – Rafa foi até a geladeira, mas ao abrir só tinha água. – Meu Deus não tem comida! Vou até o supermercado comprar tenho 300 reais aqui. Me espera aqui. 

Rafa fez comida para Karen e ela come depressa parecendo sentir muita fome. 

-Karen, o que houve? – Karen abraçou Rafa como quem não quisesse soltar.

– Fica aqui comigo só hoje preciso de você! 

-Tudo bem amor essa semana não vou sair pra vender minhas artes artesanais, o dinheiro que tenho dá pra passar a semana, ficarei essa semana com você. 

Rafa era um rapaz do bem, amava fazer obras artesanais para vender, Rafa era de família humilde, sempre amou Karen, mas os pais de Karen eram contra o namoro, pois diziam que Rafa não tinha futuro para Karen, por ser pobre e artista de rua. 

Os dois passaram a noite juntos… 

Rafa acariciava Karen, ela sentia como se o mundo parasse naquele momento, o beijava com beijos lentos, suas mãos se encaixavam uma na outra. 

-Eu te amo tanto queria que isso nunca acabasse. – Disse Karen.

-Você sabe que isso pode se tornar uma realidade, eu e você juntos vivendo da arte, você é tão talentosa quanto eu, você ama pintar quadros, amar escrever, fotografar, você tem uma alma livre igual a minha, você não gosta da vida que você tem. Larga isso tudo, a gente vai conseguir sobreviver. Até quando você vai viver do jeito que eles querem que você seja? Eu me afastei de você, por causa da sua família, mas você sabe que eu sempre te amei. Seja livre minha menina! 

-Você está certo! Vou tomar uma atitude, só me dá uns dias tá? 

-Tudo bem! – Disse Rafa. – Agora vamos dormir. 

Rafa e Karen passaram a semana juntos, ela estava radiante rindo muito. Felizes os dois falavam em ter filhos e viajar pelo mundo. Mas Rafa precisava ir vender sua arte. 

-Amor tenho que ir. – Ele disse.

-Ah, mas já? – Disse Karen. 

-Preciso trabalhar! Você vai falar para sua família sobre a gente? – Perguntou. 

-Sim, só estou criando coragem mas vou falar com eles. 

Rafa deu um beijo na testa de Karen e disse:

-Vai dar tudo certo, tá? 

-Certo. – Ela concordou.

Rafa vai embora, mas assim que ele se retira, Karen recebe uma mensagem de sua mãe. 

-Filha o dono da casa veio cobrar o aluguel e não temos dinheiro, o que tínhamos seu pai doou para obras de caridade e a confeitaria não vai bem e eu vou ter que demitir a Lúcia, nossa empregada. 

Atordoada começa a pensar… 

-Droga! O que faço? 

Karen então manda mensagem para Rafa.

-Rafa me desculpa, não podemos ficar juntos, me esquece, vou me casar com Cláudio. 

Ao receber a mensagem, Rafa pega sua moto e sai em alta velocidade… 

***

Karen passou uma semana tomando coragem para ir comunicar a família sobre aceitar se casar com Cláudio. Ela foi até a confeitaria para dar notícia a seu pai, quando chegou lá a porta de seu escritório estava meio aberta, então ela entrou, chegando próximo a porta ouviu seu pai dizer:

-Helena meu amor trouxe os 5.000 que você me pediu pra comprar seu apartamento.

-Obrigado querido, amo você! Não esqueça que amanhã faremos 10 anos juntos!

Ao escutar aquilo Karen sussurra:

-Não pode ser! Meu pai traía minha mãe há 10 anos com Helena sua secretária que cretino! 

Karen lembrou então que seu pai tinha pedido 5.000 para ajudar o padre na obra da igreja… 

-Não acredito! Por isso a confeitaria está indo mal todo dinheiro que dava pra ele investir e pra caridade ele dava pra Helena. 

Karen então saiu abalada e começou a desconfiar de seu irmão. Foi até a faculdade de medicina, chegando lá perguntou na secretaria:

-Moça, boa noite, gostaria de saber informações sobre um aluno. – Disse Karen.

-Não posso dar informação de nenhum estudante. – Uma mulher afirmou.

-Por favor moça é importante. – Karen insistiu.

-Tudo bem, qual seria o nome? 

-Victor Lamarck Silveira. 

-Moça, sinto muito, não tem nenhum aluno com esse nome aqui. 

– Oi Karen! disse Letícia, filha da vizinha de seus pais ao se aproximar.

-Oi, Letícia sabe se Victor veio hoje à aula? 

-Karen, o Victor nunca veio a nenhuma aula, ele sempre vai pra boate com uns amigos e nunca entrou aqui. 

Karen vai para casa, chegando lá começa a chorar.

-A minha vida foi uma mentira esse tempo todo, minha família não presta, eu me anulei por eles. 

Karen manda mensagem para o telefone de Rafa. 

Rafa preciso de você me liga ou vem até aqui, mas ela não obtém nenhuma resposta. Karen toma seu antidepressivo e dorme.

No dia seguinte Karen amanhece enjoada, corre para o banheiro para vomitar e em seguida se dá conta da menstruação atrasada. Logo, ela faz um teste de gravidez, que comprou em uma farmácia, que dá positivo. Ela está grávida. 

Karen pega o telefone para ligar para Rafa. Chama várias vezes ele não atende, então tenta a última vez. 

-Olá, quem fala? – Uma voz de mulher do outro lado da linha. 

-Esse telefone é do Rafa? 

-Sim. Sou eu Karen, a Joana. 

-Oi Joana posso falar com seu irmão? 

-Não… – Joana fala com a voz arrastada.

-Joana sei que seu irmão está com raiva de mim, mas diz pra ele que, eu amo ele e preciso muito falar com ele. 

Joana com a voz embargada fala: 

-Tarde demais Karen, o Rafa faleceu faz uma semana em um de acidente de moto. 

– Não!!! – Grita Karen soltando o telefone. 

Karen pegou sua cartela de antidepressivo na intenção de tomá-los até morrer, mas lembrou que carregava um filho de Rafa… 

-Eu deveria ter tido coragem, eu deveria ter lutado pela gente, eu deveria ter vivido a vida que eu queria, mas não vou deixar que eles façam com nosso filho. 

No dia seguinte, Karen pegou suas roupas de luxo, suas jóias e seus quadros que estavam no porão. Doou suas roupas incluindo sapatos, as jóias vendeu, ela cortou seu cabelo curto, fez uma tatuagem e pegou sua máquina fotográfica. 

Depois,  escreveu uma carta onde dizia: 

“Mãe cansada de ser quem vocês querem que eu seja vou ser quem eu quero ser. Odeio o luxo, não me encaixo na vida de mentira de vocês. Papai tem um caso com a Helena a 10 anos e Victor nunca frequentou as aulas de medicina A senhora é uma mulher egoísta que nunca notou que esse tempo todo eu estive morta por dentro me sentindo sufocada a base de antidepressivo, mas vou viver a minha vida, adeus! Eu nunca vou ser quem vocês querem que eu seja, eu quero ser livre, vou viver da minha arte, odeio arquitetura, odiava a Dank, vou ser uma grande artista, eu sempre amei o Rafa, sinto nojo do Cláudio! Vou criar meu filho longe de vocês… Rafa se foi mais deixou uma parte dele comigo.”

E deixou a carta em sua cama…

Mesmo sem o luxo, só de tênis, uma calça, um moletom e algum dinheiro, Karen se sentia muito feliz, parecia que tinha tirado um peso de suas costas, um alívio. Não parava de sorrir… Finalmente podia ser quem ela era.  Sem o cabelo grande para parecer mais feminina, lembrou-se do que seu pai dizia: 

-Cabelo curto não é coisa de menina. 

-As meninas ficam elegantes de salto e vestido. – Acrescentava sua mãe.

Seu pai dizia que fazer arquitetura era melhor e que ela tinha que ser a melhor em tudo. Karen ligou o som do carro na rádio tocando “She Will be loved” da banda Maroon 5 sua música preferida e do Rafa, foi aí que percebeu que Rafa estava com ela naquela noite e foi ele quem tinha dado forças para ela enfrentar seus pais. E na suas costas estava escrito: seja livre minha menina com uma borboleta. 

Fim… Seja livre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s