Liminar-idade

De quem é
Essa voz que manda
Todo dia reclama
Cobra e consola a ex-menina

Caiu
Machucou
Doeu e sentiu depois
Anos mais tarde

Não segurou
Então já foi
Fechar os olhos não adiantou
Só a música não serviu

Ainda chora
Como o bebê que foi
Esconde como quem quer ser
Esqueceu de abafar o pranto

Esperneou
No mercadinho da outra rua
A mãe não comprou o que queria
O primeiro amor não correspondeu

Sufocou
Pelo não espaço que ocupa
Lugar não nomeado
Mas que sabe que existe

Inerte
Entre juventude e velhice

A condição do entre-ser

Um comentário sobre “Liminar-idade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s